domingo, 4 de agosto de 2013

O texto censurado

Antes de começar a ler o texto abaixo, cabe uma explicação. Ele foi originalmente publicado no portal de notícias Clickfoz na quarta-feira (31/07). Trata-se da fantástica história de dona Aida Gemaque Mendes, de 103 anos, que veio de Macapá (AP) a Foz do Iguaçu para saltar de paraquedas pela terceira vez na vida. O primeiro salto foi com 100 anos de idade.

No entanto, a reportagem precisou ser retirada do ar na quinta-feira, dia 1º de agosto, a pedido da empresa que realizou o salto, a Skydive. A mesma empresa que quando surgiu na cidade, mandou releases à imprensa, na busca de divulgar seus serviços prestados. O que levou a Skydive a pedir a retirada da matéria do ar? Simples, era "exclusiva da Rede Globo". 

A grande emissora de televisão estava ameaçando não fazer a reportagem, prometida para ir ao ar em rede nacional no Esporte Espetacular. E isso não aconteceria caso a história fosse conhecida em outro meio de comunicação. Temendo que isso pudesse comprometer o salto de dona Aida, o texto foi tirado do ar. Afinal, não queríamos estragar o sonho dessa corajosa mulher.

Como jornalista, fiquei profundamente decepcionado com as atitudes, da tal empresa (que aliás, não cobra barato para saltar de paraquedas) e da "poderosa" Globo. Em pleno século XXI ainda acreditam nessa besteira de exclusividade? Oras, matéria exclusiva para mim é aquela que requer meses de apuração, investigação e revelam denúncias contra políticos, prefeituras, flagrantes de irregularidades na sociedade, alerta para as autoridades, utilidade pública.

Agora, exclusividade sobre algo que ainda iria acontecer, algo que não mudaria em nada o dia a dia na vida das pessoas que lessem ou assistissem a matéria, exceto nas personagens principais, no caso a dona Aida. Isso para mim não é exclusividade, é censura. E não dá para aceitar calado. Evidente que os telespectadores que assistirão a reportagem na Globo, não farão nem ideia de que a história surgiu primeiramente no Clickfoz. Até porque, apesar do portal ter um grande número de leitores em Foz do Iguaçu, fora da cidade e ainda do Paraná, é praticamente insignificante, encontrado apenas através de buscas no Google. Mais um motivo para não terem tomado aquela atitude desnecessária.

Já falei demais sobre o assunto, desabafei sobre algo chato que volta e meia acontece na profissão. Espero que curtam o texto na íntegra e se inspirem na história da vovó Aida Gemaque Mendes.

Mulher de 103 anos vai saltar de paraquedas em Foz do Iguaçu

Será o terceiro salto depois do centésimo aniversário de Aida Gemaque Mendes, moradora de Macapá (AP)

Pense rápido: o que você faria se estivesse perto de completar 104 anos? A pergunta inesperada pode ter várias respostas, talvez poucos saibam responder por não imaginarem um dia chegar a tal idade, mas certamente nada do que você pensou será algo parecido com o que a vovó Aida Gemaque Mendes fará em Foz do Iguaçu.

Eu não resisti e tietei a vovó Aida

Essa simpática senhora que, verdade seja dita, ainda tem 103 (fará 104 em 20 de novembro), vai saltar de paraquedas, tendo como cenário a usina de Itaipu, o Rio Paraná, o Paraguai, um pouco das Cataratas e tudo aquilo que seus olhos puderem alcançar nos poucos minutos de salto.

Não, não será a primeira queda da corajosa Aida. Ela, que nasceu em Chaves (PA) e mora há mais de 50 anos em Macapá (AP), vai para o seu terceiro salto. Começou a vida de paraquedista aos cem anos. Com 101 saltou pela segunda vez. Esporte sempre foi uma rotina na vida de Aida. Para manter a circulação do sangue e os movimentos do corpo em dia, pratica natação, corrida, joga bola na piscina, enfim, tendo atividade física, dona Aida participa.

“Sempre gostei de esportes e tinha o sonho de saltar de paraquedas. Agora, poderei saltar aqui em Foz também”, comemora. Ela está na cidade acompanhada do neto, Josivaldo, de 31 anos. Além dele, dona Aida tem mais 11 netos, 12 bisnetos e de cinco filhos, apenas dois estão vivos.

“Eu descobri por acaso que o sonho da minha avó era saltar de paraquedas. O instrutor que saltou com ela, o Paulo Roberto (conhecido como PG), entrou em contato com o Rodrigo Pedroso, gerente da Skydive, e na hora ele se interessou em trazer minha avó para saltar aqui em Foz do Iguaçu”, comenta o neto.

O salto acontecerá no sábado (3), entre as 11h e 13h, horários considerados os melhores para a atividade. E a previsão do tempo promete boas condições climáticas, apropriadas para pular de paraquedas. Os cuidados que dona Aida precisará ter para realizar mais este sonho, são os mesmos que outras pessoas teriam. “Claro que teremos um carinho especial com ela, por conta da idade, mas os cuidados são basicamente os mesmos. Mediremos a pressão dela antes, para saber se a saúde está boa e aí é só pular do avião”, brinca o gerente da Skydive, Rodrigo Pedroso.

Coragem não será problema para dona Aida. É torcer para que o tempo colabore. E após o feito, a família tentará registrar no Guinness Book, o livro dos recordes.

Foto: Letícia Lichacovski / Clickfoz

2 comentários:

  1. Guilherme Wojciechowski4 de agosto de 2013 13:42

    Não sei quem fez papel mais tolo na história: se a empresa Skydive (por pedir a retirada do material), se o portal Click Foz (por concordar com a retirada do material) ou se a afiliada local da Globo (por reivindicar a "exclusividade" de algo já noticiado).

    ResponderExcluir
  2. Às vezes falta lógica no comportamento dos "grandes elefantes")
    E a Sra. Aida, consegui fazer o pulo? Não consigo encontrar nenhuma informação na rede.

    ResponderExcluir